High School em NY – Parte 1: Onde tudo começou

High School em NY – Parte 1: Onde tudo começou

Olá meninas, finalmente resolvi sentar e escrever pra vocês sobre meu intercâmbio há 6 anos atrás, caraca já faz isso tudo de tempo.

Vamos por partes, vou fazer uma série de posts sobre meu intercâmbio, não tenho ainda planejado como vou dividir mas vou escrevendo como eu acho mais legal!! Eu sei que intercâmbio é algo que muita gente quer fazer, ja fez ou ainda esta em dúvida. E eu sei quantos questionamentos vem a cabeça, ja passei por isso, e acreditem indecisa eu ainda sou e muito.

Começando pela preparação: como eu resolvi fazer intercâmbio? o que me influenciou ? e a escolha da família.

ERA UMA VEZ…

Quando eu tinha 13 anos (2004) meu irmão estava no terceiro ano do ensino médio e inventou de terminar os estudos nos EUA, foi ai que descobrimos essa possibilidade do intercâmbio High School. Meu irmão ficou 6 meses em Owasso – Oklahoma, nos EUA, e desde essa época meu pai falava que quando chegasse na idade eu também iria, e eu me desesperava dizendo que não.

Os anos foram passando, e em 2008 eu resolvi que eu também queria estudar fora. Lembro até hoje que tinha lançado “High School Musical 2” não fazia muito tempo e eu ficava viajando vendo esse filme achando que ia ser daquele jeito comigo. Hoje me mato de rir, mas até ouvir as músicas do filme hoje me trazem um turbilhão de sentimentos, de como eu sentia naquele momento da minha vida.

Comecei a pesquisar agências, e acabei fechando com a STB, uma agência renomada e bem conhecida pelo Brasil todo, mas não tive uma boa experiência com eles de assistência enquanto estive fora, já adianto nesse post. Enfim, como eu não sabia, fechei com eles porque o atendimento foi ótimo e o preço também.

Quando você planeja estudar fora você deve preencher uma série de documentos, os chamados “application”, é um dossiê da sua vida, existe papel pra tudo nesse application, você deve preencher tudo certinho entregar para a agência e eles enviam para a empresa que cuidará dos seus documentos fora do país, tipo achar família, cidade, escola, e tudo mais que deve ser feito. A minha empresa era a CIEE.

Depois disso, chega a hora que “você é escolhida pela Host Family”, ou seja, você não escolhe nada, quer dizer, só o país, de resto é tudo eles que escolhem você. Bom, eu tava na minha cabeça a seguinte filosofia – Se a família X caiu pra mim é porque alguma coisa eu vou aprender com eles, não julgue Thaís.- Quando a família escolhe você, eles te mandam o application da família, ai você analisa e diz se topa ou não. Então eu topei, tava tão ansiosa e queria ir logo.

O APPLICATION:

application host family 1 application host family 2 application host family 3

Esse foi o application da minha Host Family, tinha 5 folhas com todos os dados da família, rotina e várias outras informações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Este seria o meu quarto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A casa por fora.

Bom, minha host family era somente o casal, ambos com seus 50 e poucos anos, Host dad médico e Host mom vendedora de livros. Me passaram o endereço, regras e todas as infos. A principio eu iria dividir a casa com outra estudante de intercâmbio, a Sasha, ela viria da Eslováquia, eu fiquei super animada, mais ai aconteceu de minha escola não abrir vaga pra ela e não deu certo, juro que desanimei, mas vida que segue.

Embarquei em Agosto/2008 para lá, primeiro fui fazer uma orientação com a CIEE em NYC por 3 dias e de lá iria para minha cidade. Mais isso é pra um próximo post – sempre tem o suspense né?!

Analisando um pouco a situação toda:

Fui viajar com meus 16 para 17 anos para fora, era minha primeira vez realmente “sozinha” e longe, muito longe de casa e da família. Pra mim foi muito bom depois que voltei e parei pra pensar, eu era o tipo de menina que vivia grudada nos meus pais e esse intercâmbio me deu uma certa independência deles. Eu aprendi a pensar sozinha, tomar minhas decisões, decidir onde eu gastaria meu dinheiro, o que valia a pena, escolher quem eu queria por perto, e por ai vai. Lógico que a saudade, ou o “homesick” é inevitável em algum momento, mas passa. Eu digo isso porque eu tive uma experiência muito negativa nos primeiros meses, eu implorava pra voltar embora, e hoje agradeço minha família por ter me feito ter forças pra ficar la 5 meses.

maninhooo 18082008306 18082008320 18082008321 18082008323

Continua…

High School em NY – Parte 2: NYC, voos e a ficha caiu

SalvarSalvar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *